PEÇA EM DESTAQUE: bloco de calcário com fósseis de ostreídeos e espongiários

Data da notícia: 25, Novembro 2020

PEÇA EM DESTAQUE: bloco de calcário com fósseis de ostreídeos e espongiários

As rochas do território em que se integra o concelho da Batalha contam-nos, através dos registos geológicos e paleontológicos, uma longa história que nos faz recuar a mais de 200 milhões de anos.

Na primeira parte desta vitrina sentirá a presença do mar nos FÓSSEIS das rochas que marcam a paisagem das serras. Os calcários que as constituem datam sobretudo do Jurássico Médio e ter-se-ão formado em ambientes marinhos litorais ou de mar aberto. 
Deste período existem ainda na região evidências de dinossáurios de importância mundial, como na “Pedreira do Galinha”, onde encontramos extensos trilhos de pegadas de saurópodes excecionalmente bem preservados.
As serras também marcaram a vida das populações que aqui se instalaram ao longo dos tempos. Nelas existem recursos importantes, como o lignito, usado como combustível; o sal-gema, como conservante; ou o calcário que serviu para a construção do Mosteiro.
Este bloco de calcário com fósseis de ostreídeos e espongiários, que destacamos esta semana, foi encontrado na serra de S. Mamede, tem cerca de 170 milhões de anos e ter-se-á formado em pleno Jurássico Médio. Nessa altura, grande parte do território estava submersa por águas do mar pouco profundas e quentes. Mais tarde, movimentos tectónicos formaram o Planalto, levando para o alto da serra os fósseis e sedimentos que antes estavam depositados nessas águas. 
Ao tocar neste vestígio natural, são notórias as diferentes texturas. Ocupando uma grande parte do bloco, e localizadas essencialmente à esquerda, sobressaem lascas das velhas ostras. Os tons suaves de madrepérola – num rosa azulado quase branco pálido – sobressaem contra o castanho arenoso do calcário. Mais à direita, os espongiários petrificados dão à pedra um toque rugoso que resulta dos poros do corpo do animal. 
Os espongiários, que se fixam às rochas no fundo do mar, são as formas animais mais simples da escala zoológica. Ainda hoje, são muitas vezes usados como esponjas naturais.
 
CONTEÚDOS ÁUDIO E VÍDEO
 
Audiodescrição da peça: soundcloud.com/user-703797746/mccb-ostras-na-serra-longo
Língua Gestual Portuguesa: youtu.be/ezTw1pvf3W0